Acabamentos ecológicos para a casa

Compartilhe! Facebook Twitter Pinterest

Seu lar sustentável

Se você se preocupa com o meio ambiente, saiba que mesmo na hora de construir ou reformar é possível unir beleza, funcionalidade e sustentabilidade. Além de instalar aparelhos que geram energia renovável e fazem o reuso da água em casa, por exemplo, você pode fugir dos materiais de construção tradicionais e escolher produtos ecológicos até para o acabamento dos ambientes.

O piso na foto acima, por exemplo, parece um revestimento de madeira comum, mas na verdade é feito de bambu de alta densidade. O produto na versão colorida foi lançando este ano pela Neobambu. Desde 2006 a empresa investe na fabricação de pisos de bambu para substituir o uso da madeira.

 pisos coloridos de bambu

De acordo com a Neobambu, por ser uma gramínea, o bambu cresce mais rápido do que uma árvore, que demora décadas para alcançar a maturidade, e é mais resistente para o uso como revestimento devido ao alto teor de fibras em sua composição. Além disso, é uma espécie autossuficiente, ou seja, quando ocorre o desmate, os próprios bambus remanescentes vão se reproduzir até reocupar a área. O revestimento pode ser aplicado no chão ou na parede e o metro quadrado sem instalação custa R$ 280.

 Pastilhas de vidro reciclado

A Ecopastilha Metal, da Lepri, é outro revestimento ecológico e visualmente inovador recém-lançado. Uma das matérias-primas de fabricação das pastilhas é o vidro de lâmpadas fluorescentes, telas de computadores e de televisão reciclado. O resíduo faz parte da composição de toda a linha de produtos da Lepri.

A linha de pastilhas possui acabamento metalizado brilhante ou fosco, feito com esmalte ecológico e resistente a desgastes por abrasão. O preço da Ecopastilha varia de R$ 199 a R$ 399, de acordo com o tamanho e acabamento das peças. Na próxima página, conheça mais revestimentos ecológicos para o chão e parede de áreas internas e externas.

Peças de Cimentício

O cimentício é um composto feito de cimento branco de alta resistência e mármore moído. Segundo a Solarium, empresa pioneira na fabricação do produto no Brasil, ele é ecológico não apenas porque usa menos energia e recursos naturais na produção, mas também porque pode ser reaproveitado após o uso. Outra vantagem para o meio ambiente é que o cimentício pode ser fabricado a partir de cimento e mármore oriundos de reciclagem.

Entre as novidades da Solarium para este ano está a linha de revestimento para piso ou parede Dueto, na foto acima. São placas de cimentício de 50 cm x 50 cm que podem ser feitas em uma ou duas cores.

 Revestimento para parede com relevo

O cimentício é um material versátil e permite acabamento com diferentes efeitos. A Solarium, por exemplo, tem linhas que se parecem com pedras naturais e que imitam madeira. A linha Illusione, na foto acima, foi criada pela designer Renata Rubim e também é novidade. Pode ser aplicada em paredes de áreas internas e externas. O diferencial é o efeito de luz e sombra causado devido à elevação de um dos lados.

 Cerâmica de espessura fina

Assim como na fabricação das Ecopastilhas, a Lepri também produz pisos de cerâmica que contém vidro de lâmpadas fluorescentes e telas de computadores e de televisão reciclados como matéria-prima. Segundo estimativa da empresa, se fosse descartado na natureza este material demoraria cerca de 200 anos para se decompor. A linha de revestimento para o piso e parede Ecoslim Étnica tem desenhos de traços finos em baixo relevo, que lembram arabescos e flores. Além disso, as peças são mais finas do que a cerâmica comum e facilitam a colocação de piso sobre piso. Custa R$ 249 o metro quadrado.

A seguir, veja mais versões de pastilhas ecológicas feitas de casca de coco e outros materiais.

Pastilhas inusitadas

A Mazza Cerâmicas adotou o uso de resíduos de louça sanitária reciclada na composição de suas peças e lançou este ano várias linhas de pastilhas para o revestimento de paredes internas e externas feitas a partir desta matéria-prima. As pastilhas , além de ecológicas, têm formatos diferenciados, como as da linha Brasile, à esquerda, em hexagonos, e as Quadreto, que permitem a composição com cores e tamanhos diversos.

Segundo a Mazza, quando descartada e depositada ao ar livre, a louça sanitária desprende resíduos muitos finos que acabam sendo levados pelo vento e água da chuva contaminando o ar, solo e água. "Incorporando esse material contribuímos para reduzir os ricos dele ficar exposto ao ar livre, dando um destino a ele", comenta Ana Cláudia, representante da marca. As pastilhas podem ser adquiridas em placas de 30 cm x 30 cm, com valores entre R$ 27,80 a R$ 32.

 pastilhas de casca de coco e castanha-do-pará

A Colormix incluiu este ano em seu portfólio a linha de pastilhas Eccos, feitas de casca de coco e ouriço de castanha-do-pará, recursos renováveis geralmente descartados pela produção do coco e castanha para alimentação. De acordo com Arthur Grangeia, diretor da Colormix , a coleta desses materiais é feita pelas próprias comunidades locais, de forma artesenal, gerando renda com baixo impacto ambiental. As matérias-primas para a fabricação das pastilhas da linha Eccos são oriundas das regiões de Floresta Amazônica e da Bahia.

Ao todo, são cinco tipos de acabamentos que podem ser usados para paredes internas. As peças são vendidas em placas de 33 cm x 33 cm ou 30 cm x 30 cm, dependendo do modelo. Os preços vão de R$ 42 a R$ 75 por placa.

Leia mais sobre materiais de construção ecológicos.

Tags:

Comentários


  • 29 de março de 2012 às 00:00
    Materiais que podem ser usados por mais de 100 anos, são usados por 5, logo paguem pela reciclagem!
  • 29 de março de 2012 às 00:00
    Esses preços são abusivos! Entendo que o preço da tecnologia envolvida na transformação de lixo em algo útil novamente deve ser repassado para a mercadoria, mas assim já é demais! Por esse preço, a gente compra uma floresta inteira de bambús!
  • 29 de março de 2012 às 00:00
    Tambem poderia ser ecologicamente barata eu não entendo pq tudo que é reciclado e ecologico é mais caro
  • 29 de março de 2012 às 00:00
    Com esses precinhos fica difícil ser ecologicamente correta!
  • 29 de março de 2012 às 00:00
    Pra ser ecologicamente correto, tem que ser também milionário !
  • 29 de março de 2012 às 00:00
    A linha verde ainda trava com seus altos preços...
  • 6 de abril de 2012 às 00:00
    Tenho uma construção e quero dar acabamento com material ecológico.
    É possível um visitante para fazer orçamento?
Ir para o topo