Materiais de construção ecológicos

Compartilhe! Facebook Twitter Pinterest

Sua casa com selo verde

Um canteiro de obras pode representar muitos danos ao meio ambiente. O alto consumo de recursos naturais não renováveis e de substâncias tóxicas tem alertado o ramo da construção civil para uma mudança de comportamento impulsionada pela crise do petróleo ocorrida em 1973. A busca por alternativas de fonte energética levou a comunidade internacional a repensar os padrões da arquitetura e construção civil.

O impacto do ramo das edificações no agravamento da poluição atmosférica e consequentemente do efeito estufa tem provocado a tomada de medidas para que haja uma seleção sustentável na escolha dos materiais usados para erguer uma casa ou edifício. A resposta a essa demanda mundial é a formação de um mercado de ecoprodutos e tecnologias fabricados em escala industrial, ancorado pelo Instituto de Desenvolvimento de Habitação Ecológica (IDHEA).

A organização conta com mais de mil fornecedores de produtos utilizáveis desde o planejamento até a execução da obra ecologicamente correta. Dentre os passos da construção ecológica citados pelo IDHEA, destacam-se o consumo mínimo de água e energia, uso de materiais ecoeficientes, geração mínima de resíduos e a redução de impactos no entorno - paisagem, temperatura e sensação de bem-estar.

Construir sem destruir tornou-se um lema seguido por vários engenheiros e arquitetos que integram os conceitos de sustentabilidade aos do sistema construtivo. O arquiteto Ruy Rezende diz que a construção sustentável é um ponto estratégico para edificações futuras. "Fazer edifícios não sustentáveis é como comprar um Santana 1999 0 km. Pode nunca ter sido usado, mas ainda assim é velho", compara o ganhador do Greening na categoria arquiteto, prêmio considerado o Oscar da sustentabilidade.

Requisitos e custos dos materiais ecológicos

Um critério importante para definir um material de construção ecológico é a ACV (análise do ciclo de vida), instrumento que avalia o impacto ambiental dos produtos do berço ao túmulo. Ou seja, considera todos os estágios da vida útil do produto, que envolvem sua origem, geração de resíduos contaminantes e possibilidade de reutilização.

Patrícia Miranda, arquiteta da Gaia Projetos Sustentáveis, aponta alguns questionamentos que devem ser feitos para saber se o material é ecológico. A matéria-prima é virgem ou reciclada? É um recurso renovável? Apresenta baixo consumo de energia e água? O processo de instalação e manutenção é poluente? Como é a logística de distribuição do produto? A embalagem pode ser reciclada? Possui algum tipo de certificação (tipo ISSO 14001)?

Ruy Rezende afirma que é possível usar materiais de construção ecológicos com baixa ou alta tecnologia. "Hoje você encontra quase tudo para a construção sustentável, desde o ferro, que no Brasil é 100% reciclado na construção civil, até carpetes e móveis 100% recicláveis", salienta. Segundo ele, a seleção de materiais sustentáveis também vale para reformas, como a realizada no Estádio do Maracanã, em que todo o material demolido está sendo reciclado e reutilizado na própria obra.

Produtos ecológicos específicos podem ser encontrados em empresas especializadas e grandes lojas de materiais de construção. Embora o custo adicional de uma construção sustentável comparada a uma convencional varie entre 5 e 10%, o retorno do investimento pode ser significativo quanto à redução no consumo de energia e água, por exemplo.

Além de colaborar com o uso racional dos recursos naturais, a escolha por materiais de construção ecológicos promoveo equilíbrio ecológico do lugar, pois melhora a qualidade do ar interior e estende a durabilidade da construção. Na página seguinte, conheça os tipos de materiais utilizados em uma casa ecológica.

Materiais de construção ecológicos

O item essencial na construção de qualquer casa já existe em versão ecológica. O tijolo de solo-cimento - BTC (bloco de terra comprimida) é feito da mistura de terra com o cimento prensado. O processo de endurecimento do cimento chamado de cura não passa por queima, logo a energia utilizada não é fruto da degradação do meio ambiente.

O mercado também oferece materiais para pisos e assoalhos vindos de fontes renováveis como o bambu e recicláveis como a madeira plástica. Há ainda pavimentos permeáveis constituídos de grelhas de plástico reciclado que permitem a passagem de água e ar, o que ajuda na prevenção de enchentes e na redução de ilhas de calor. Esse piso é apropriado para trechos de tráfego lento como estacionamentos e calçadas.

Existe uma opção de telhado que captura gases de efeito estufa, o telhado verde ou jardim suspenso, uma alternativa para centros urbanos carentes de natureza. O telhado feito com grama ou plantas pode ser instalado sobre telhados convencionais e lajes. "Promove conforto termoacústico, melhoria da qualidade do ar, absorção pluvial e questões que envolvem a saúde, pois o ser humano reage positivamente a espaços naturais verdes", argumenta Patrícia Miranda.

A arquiteta acrescenta que a cobertura verde pode ser aproveitada para áreas de lazer, no caso das lajes, e horticultura. De acordo com ela, a produção de alimentos próxima ao local de consumo é um elemento de sustentabilidade na idealização da cidade do futuro.

Há uma variedade de materiais de revestimento com apelo ecológico. Dentre os mais utilizados, estão o ecomosaico, a madeira plástica, pastilhas feitas de lâmpadas fluorescentes, pisos drenantes, superfícies 75% compostas de materiais reciclados como vidro e metal, cerâmica e porcelana industrial. Soma-se a esses recursos uma resina 100% orgânica derivada de milho destinada a ambientes internos.

As paredes podem ser pintadas com material ecológico. Lojas de materiais de construção civil vendem tintas à base de água que são menos impactantes e tintas livres de compostos orgânicos voláteis (COV's), ou seja, que não soltam toxinas. Outra opção é a tinta Solum, finalista na categoria de materiais inovadores do prêmio de sustentabilidade Greenbest, produto natural durável e resistente feito à base de terra.

A substituição da energia elétrica pela solar é uma alternativa sustentável. Saiba como instalar uma fonte de captação de energia solar em casa.

Tags:

Comentários


  • 12 de julho de 2011 às 00:00
    Estamos desenvolvendo a primeira casa ecológica no Jardim Botânico (HORTO), vamos colocar telhas Onduvila e queria colocar energia solar só para as lampadas da casa.
    Vocês podem indicar uma firma de energia solar no rj que quera fazer uma parceria com o IPI no projeto.

    abs

    Samantha Rodrigues Venâncio
    Presidenta
  • 13 de julho de 2011 às 00:00
    Eu e meu namorado estamos nos preparando para construir nossa primeira casa, essa matéria nos inspirou e ajudou muito. Obrigada!
Ir para o topo